Evoramons
evoramons
Álvaro Feijó
Os Poemas de Álvaro Feijó
|   A editora .   |   As obras .   |   Contacto .
Evoramons
.
.
Os Poemas de Álvaro Feijó
.
Género literário
Poesia

Introdução
João José Cochofel
Ilustração da capa
Txema Muñoz

Edição
Junho de 2005
Número de páginas
XXXI + 128
ISBN
972-99486-2-3

Preço
13,50 €
.
Evoramons

Álvaro Feijó (1916-1941) é a figura mítica da geração que, na Coimbra de finais dos anos trinta, veio a lançar o movimento conhecido como neo-realismo. O seu trajecto vital seria tão curto como fulgurante. Prova disso, a poesia que nos deixou, onde os temas de mais fundas raízes na cultura e literatura portuguesas se irmanam a uma consciência social em carne viva.

Nesta obra, reunida postumamente em volume único, não há lugar para sentimentos vazios ou palavras vãs: tudo é o caminho de um poeta que se busca a si para melhor encontrar os homens seus irmãos.

Por sem razões várias, há muito tempo que não convivia com a poesia do meu irmão. Ao fazê-lo, agora, por ocasião desta nova edição, vejo que esta ausência não foi tempo perdido: a poesia do Álvaro revelou-se-me mais profunda do que a minha recordação lembrava. E não apenas nos seus pontos cimeiros – os Dois Sonetos, Natal, Nossa Senhora da Apresentação – de que me ia lembrando de cor. Mesmo nos Primeiros Versos. O saber e o sentimento, a elegância, já ali estavam. E também o modo como se entregava e o entusiasmo que punha nos projectos de um futuro que uma vida tão breve lhe negaria. Lembro-me da alegria que ele teve quando saiu a primeira edição do Corsário e daquilo que escreveu no primeiro exemplar, que conservo, e que era todo um programa de futuro. Qual seria hoje a sua alegria se pudesse saber que a sua poesia permanece no imaginário de várias gerações, que figura em todas as antologias responsáveis da poesia do tempo em que viveu e que continua a ser editado.

Rui Feijó